Blog do Jetro

segunda-feira, 4 de novembro de 2013

Partido Verde pede libertação da ativista brasileira do Greenpeace presa na Rússia


A luta internacional pela conservação do meio ambiente não pode ser inibida  Preocupados com a gravidade do assunto que envolve a prisão da bióloga brasileira Ana Paula Maciel, de 31 anos, presa na Rússia acusada, a princípio, de pirataria, líderes do PV irão apresentar uma moção com o posicionamento contrário a essa condenação e pedir pela libertação da ativista. Com abaixo assinado intitulado #libertemos30, o Greenpeace já coletou cerca de 1,7 milhão de assinaturas. Para assinar basta entrar no site: http://www.greenpeace.org/brasil/pt/ Segundo o Secretário Nacional de Comunicação do Partido Verde, José Carlos Lima, o meio ambiente não tem fronteiras, por isso é importante a criação de uma rede para a campanha de libertação. “Essa possível condenação irá inibir a luta internacional pela conservação do meio ambiente. Por isso, cabe a nós, membros de partidos e sociedade civil, nos engajarmos nessa campanha”, explicou José Carlos. Na semana passada (24/10), o presidente do Partido Verde, deputado federal José Luiz Penna (PV/SP), juntamente com o líder do PV na Câmara, deputado Sarney Filho (PV/MA) e o diretor de Políticas Públicas do Greenpeace, reuniram-se com o presidente do Congresso Nacional, Renan Calheiros, para pedir intervenção do parlamento brasileiro no caso. Na ocasião, ficou decidido a criação de uma comissão de parlamentares que irá à Rússia entregar um ofício e conversar pessoalmente com a presidente do Conselho da Federação da Assembleia Federal da Rússia, equivalente ao Congresso Nacional brasileiro. “Com isso temos a esperança de que o apelo, somado a um esforço diplomático do governo, possa sensibilizar as autoridades russas pela libertação dos ativistas, que foram privados da sua liberdade por lutarem pela conservação do nosso planeta”, defendeu Penna. Para Sarney Filho (PV/MA), a atuação da sociedade civil organizada em defesa dos direitos difusos e coletivos, tal como o meio ambiente, é atitude louvável. “A atuação pacífica dos ativistas do Greenpeace representa não uma ofensa à soberania de qualquer país, mas sim, preocupação com o bem estar de todos os seres vivos”, afirmou. Na mesma linha, Roberto Rocco, secretário de Mobilização do PV, reforça que “o meio ambiente tem caráter transfronteiriço e os defensores dos principais ecossistemas do planeta, importante para sadia qualidade de vida da humanidade, no lugar de terem suas ações criminalizadas, devem receber proteção e imunidade concedida pelos organismos internacionais contra as ações de certos governos locais que ameaçam o equilíbrio planetário.” ENTENDA O CASO - Trinta pessoas foram detidas no Ártico em 19 de setembro, quando faziam um protesto pacífico contra a exploração de petróleo em um barco de bandeira holandesa, em águas internacionais. Tiveram prisão preventiva decretada até 24 de novembro. Na semana passada, a Justiça da Rússia informou que as acusações seriam amenizadas de pirataria para vandalismo. No caso de vandalismo, a pena pode chegar a sete anos de reclusão. Se continuassem acusados de pirataria, poderiam pegar até 15 anos. O Greenpeace, que tem participado da defesa dos ativistas, rechaçou as novas acusações e informou que irá recorrer.

 - See more at: http://pv.org.br/2013/11/04/partido-verde-pede-libertacao-da-ativista-brasileira-do-greenpeace-presa-na-russia/#sthash.o8oK1uP3.dpuf