Blog do Jetro

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Cine Holliúdy...

Cine Holliúdy : poster

Não recomendado para menores de 12 anos 
Interior do Ceará, década de 1970. A popularização da TV permitiu que os habitantes da cidade desfrutassem de um bem até então desconhecido. Porém, o televisor afastou as pessoas dos cinemas. É aí que Francisgleydisson entra em ação. Ele é o proprietário do Cine Holiúdy, um pequeno cinema da cidade que terá a difícil missão de se manter vivo como opção de entretenimento.


Educação Ambiental...


A Educação Ambiental é fundamental para a Gestão dos Resíduos. Não tem Plano de Resíduos que se sustente sem a educação ambiental.
Isso deve ser feito com a contribuição das pessoas nas suas regiões e bairros. São eles que conhecem a realidade local. e podem dar as melhores opiniões sobre a forma de alcançar a população local.


Quanto a fiscalização, são as pessoas que vão contribuir com a melhor fiscalização. A prefeitura tem fazer a sua parte. Multar, fiscalizar, ensinar, informar e até interditar algumas empresas que não se comportam dentro dos limites estabelecidos por lei.


Um Plano de Gestão de Resíduos Sólidos só poderá dar resultado se tiver uma participação maciça da população local. Com poder para agir (empoderamento local). Com um planejamento de educação ambiental, comunicação com ênfase em gestão de resíduos e aumento da coleta seletiva.

Sem Educação Ambiental, construída localmente, impossível um Plano de Resíduos atingir os objetivos propostos.





quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Caminhão da Coleta Seletiva Novo


Este é o nosso novo caminhão para fazer a coleta seletiva em Mairiporã.

seja bem vindo!

Vamos ampliar os locais de coleta na cidade.




segunda-feira, 23 de setembro de 2013

NOVA COR...pro blog

Eis que venho a porta e bato...

Venha como está...

Eu Sou o Caminho, a Verdade e a Vida...

Raça de víboras...quem poderá salvá-los da ira vindoura?

Na verdade vos digo ninguém vem ao Pai a não ser por mim...

teste da cor da letra...

Meus 45 anos de vida...


Meus parabéns...atrasado!

Bem, meus amigos. Nesses 45 anos já dei muita risada, chorei, fiquei com raiva, ódio, paz, alegria, decepções profissionais, alegrias profissionais e etc...

Gosto muito de voce, cara. Espero que tenha mais tempo de vida pra gente se curtir cada vez mais.

Gosto desse seu jeito, das suas loucuras, brincadeiras, seriedade nas horas certas.

Gosto das suas dúvidas e certezas.

Gosto do jeito que voce é, precisa melhorar poucas coisas, mas eu gosto.

Portanto, nesses seus 45 anos, venha como está e seja feliz.

Deus te abençoe e te guarde por onde andar...

Beijo meu amigo.

de mim, pra mim mesmo!
jetro.    

Audiência do Plano de Resíduos em Mairiporã.



Dia 25 de Setembro de 2013, a partir das 19:30 horas, vamos apresentar as mudanças que foram sugeridas nas Consultas Públicas pelo público presente.

Esta é a fase final para a Entrega do Plano de Resíduos de Mairiporã.

Vamos entregar o Plano de Resíduos de Mairiporã este ano.

Fizemos o possível para elaborar um Documento que estivesse ao alcance da Cidade. Não copiamos modelos e formatos de outros países ou Estados. Buscamos adaptar alguns modelos a nossa realidade e entendemos que o Plano de Gestão de Resíduos de Mairiporã trará mudanças radicais na gestão do lixo da Cidade.

Obrigado à todos que se empenharam para montar esse planejamento de metas para dar um caminho mais nobre para o lixo de Mairiporã.

Obrigado.

Jetro Menezes




    

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Curso: Gestão de Resíduos Sólidos: a política, os atores e os mecanismos.



Faça a sua inscrição.

No dia 21 de outubro estarei ministrando o curso de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.

Vamos abordar as questões relativas a gestão do lixo nas cidades.

Como as pessoas podem colaborar?

Como os órgãos públicos colaboram?

Como as empresas podem colaborar?

E o principal...o que diz a legislação sobre tudo isso?

Participe!

Jetro.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

20 anos de ambientalismo: muitos avanços ideológicos e poucos resultados práticos...

Escrito por Jetro Menezes, Colunista de Plurale.
Em 20 anos de ambientalismo, já vi de tudo. Ações e decisões boas e outras não tão boas assim. Exemplos das boas: leis que surgem aos montes, programas de coleta seletiva que vão pipocando nas prefeituras e nas empresas, a criação e os investimentos de todas as esferas de Governo para as cooperativas de catadores, a criação da Política Nacional de Resíduos Sólidos e a exigência de Planos Municipais para as prefeituras, entre outros programas. Exemplos das não tão boas: a falha na fiscalização ambiental em todas as cidades, o enfraquecimento ou esvaziamento dos Conselhos das Bacias Hidrográficas, a educação ambiental rasa e pouco crítica, raros programas de coleta seletiva implantados em cidades e empresas, uso e ocupação do solo sem a menor consideração com os aspectos ambientais, com invasão de áreas de mananciais, córregos poluídos e falta de saneamento básico expressos em números cada vez mais assustadores.
De tudo o que vi nesses anos, porém, o mais decepcionante na área de meio ambiente é o efeito inexpressivo dos cursos de gestão ambiental, sejam técnicos ou superiores. Grande parcela dos formados nessa área nos últimos 10 anos não está atuando no mercado. Tenho contato com amigos que estudaram comigo e que ainda não estão atuando no setor. Se os cursos foram criados, entendo que seriam para atender uma demanda do mercado. Da mesma forma, entendo que há espaço para a atuação de muitos gestores ambientais nas empresas e principalmente nas prefeituras. Os municípios estão carentes de profissionais técnicos e os gestores ambientais estão prontos para arregaçar as mangas. Esses profissionais podem elaborar o Plano de Gestão de Resíduos para as prefeituras, conforme exigido na PNRS, podem criar um Programa de Educação Ambiental, organizar um Programa de Arborização, criar um Programa de Coleta Seletiva e muito mais. Os setores público e privado precisam da figura do gestor ambiental para solucionar problemas e levar respostas para suas cidades e empresas.
Outro dia fiquei triste ao conversar sobre o assunto com um Ambientalista - com “A” maiúsculo - numa padaria em São Paulo. Ele, fundador de um instituto ambiental de renome, mostrou-se desanimado. Inclusive, está abrindo mão do instituto porque uma profunda falta de perspectiva tomou conta dele. Sua desistência se baseia nas formas, no mínimo estranhas, de relação com a sociedade civil organizada. O único lado bom desse fato é que meu amigo Ambientalista vai doar livros, vídeos e cartilhas para a Prefeitura de Mairiporã, em São Paulo.
Minha experiência em meio ambiente não começou em faculdade e não foi por modismo, mas pela paixão. Fui aprender na prática. Comecei a pesquisar sobre a área de resíduos sólidos em 1994 no Limpurb (Departamento de Limpeza Urbana do Município de São Paulo). Fui muito bem recebido e consegui um excelente material técnico que tem servido de base até os dias atuais. Fundei um movimento de cultura e meio ambiente que realizava eventos abertos ao público. Aprendi a fazer papel reciclado. Li muito, me formei como gestor ambiental, fiz especialização em saneamento ambiental e auditoria ambiental. Sou docente universitário na disciplina de gestão ambiental, consultor ambiental num escritório próprio e tenho uma vasta experiência em gestão pública. Nessas andanças pelas prefeituras, tive a oportunidade de escrever dois Planos de Gestão de Resíduos e dois Programas de Coleta Seletiva, sementes que espero ver germinarem.
Depois de tanto envolvimento, cheguei à conclusão de que, nesses primeiros 20 anos de ambientalismo, muito se falou e pouco se fez de fato! Fazer eventos, do tipo “pão e circo”, para comemorar o Dia do meio ambiente não são suficientes para gerar consciência crítica. Plantio de árvores sem controle e manutenção não tem futuro certo. As prefeituras não estão preparadas para atender demandas nas áreas de meio ambiente, pela falta de quadros técnicos capacitados – apenas cerca de 10% dos municípios brasileiros entregaram os seus respectivos Planos de Resíduos, repito, exigidos por lei. A sociedade tem se alimentado de teoria. Sempre surge uma terminologia nova para um tema antigo e as pessoas ficam vislumbradas. Hoje, o termo sustentabilidade já se desgastou e o preferido passou a ser “logística reversa”.
Tratar gestão ambiental nas cidades de cima para baixo é continuar o mesmo erro cometido em anos de gestão equivocada. Meio ambiente deve ser discutido e construído no âmbito local. A Agenda 21 Local tem essa função e deveria ser um instrumento obrigatório para todas as prefeituras e empresas.
Espero que nos próximos 20 anos o meu texto seja mais animador, motivador, positivista. Espero não escrever mais sobre uma educação ambiental de baixíssimo impacto na sociedade. Espero que daqui a 20 anos, mais de 60% do lixo coletado no Brasil sejam reciclados. Que a água seja tratada e fornecida a todos e o tratamento de esgoto seja uma realidade em todas as cidades brasileiras. E que seja possível contribuir com a formação de mentes críticas para fazer a diferença nas suas cidades e nas suas empresas.

terça-feira, 10 de setembro de 2013

Não existe Super-Homem!


Não existe Super-Homem! Pronto!

Temos alguns exemplos:

o Anderson Silva perdeu a última luta e todos nós xingamos, brigamos, reclamamos, ficamos irritados e desiludidos com ele...

o Corinthians ganhou a Libertadores e o Mundial...tá indo mal no Campeonato Brasileiro e todos falam mal...

Pois bem, não tem super-homem, todos somos pobres mortais, sujeitos a falhas!

Eu falho, tu falhas, eles falham e nós falhamos...
Isso é bom, nos faz melhorar a nossa performance na vida.

Nos faz crescer, maduro!

Não nos deixa acomodado. Na famosa zona de conforto!

Todos devemos, num momento da vida, dar um passo pra trás e dois pra frente...

A vida é assim mesmo...

bjs.

Jetro. 

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Toca Raul...


Troquei uma ideia com o Raulzito (Raul Seixas) na Feira de Artes da Vila Madalena, em agosto deste ano.

Falamos sobre várias coisas, entre elas: a organização de eventos culturais aberto ao público...como a Feira de Artes onde estávamos.

Tive o prazer de ser o coordenador e articulador da Feira de Artes de Pirituba. A nossa primeira edição foi em 1995, no mesmo ano que houve a explosão da casa de fogos que matou muitas pessoas. Inclusive amigos nossos...

Tivemos a coragem de criar no mesmo local um evento cultural aberto ao público, com artistas da região, associações, bandas, artesanatos, comidas típicas...uma festa da arte e da cultura aberta ao público. Era na rua, ou melhor, na Avenida Benedito de Andrade, em toda a sua extensão (600 metros).

Os expositores eram em número superior a 250 barracas.

As bandas, mais de 30 apresentações.

O público? Mais de 100 mil pessoas frequentavam a Feira durante a duração do evento.

É mole? Mais de 100 mil pessoas!!!

Fizemos mais de 10 edições. Parou, porque o PT da Marta (na época Prefeita), mandou parar. Isso pq tem uma lei que oficializa a Feira de Artes de Pirituba como evento OFICIAL DA CIDADE DE SP.

Mas, fica a dica...

Evento de rua é bem mais saudável.

Jetro Cychinigff
  

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

QUARTEAMENTO DO LIXO?

PASSO A PASSO:

1 - DESCARREGAR OS RESÍDUOS (lixo) EM UM ÚNICO MONTE, SOBRE UMA ÁREA PAVIMENTADA OU LONA PLÁSTICA RESISTENTE;

2 - ROMPER OS SACOS PLÁSTICOS E DEMAIS EMBALAGENS E HOMOGENEIZAR OS RESÍDUOS COM O AUXÍLIO DE GARFOS E GADANHOS;

3 - FORMAR UM ÚNICO MONTE, QUE DEVE SER MAIS ACHATADO QUE ALTO. LEMBRAR QUE O LIXO É COMPOSTO POR MUITOS VASILHAMES, COMO GARRAFAS E LATAS, QUE SE SEPARAM DOS DEMAIS RESÍDUOS ROLANDO PARA AS BORDAS DO MONTE, CASO ELE SEJA ALTO;

4 - QUARTEAR, ISTO É, D I V I D I R  O  MONTE HOMOGENEIZADO EM QUATRO MONTES MENORES, DE IGUAL VOLUME;

5 - DESCARTAR 2 DOS 4 MONTES, ESCOLHENDO AQUELES QUE SE SITUAM EM POSIÇÕES OPOSTAS;

6 - JUNTAR OS 2 MONTES RESTANTES, HOMOGENEIZAR OS RESÍDUOS E REALIZAR NOVO QUARTEAMENTO ATÉ OBTER UM VOLUME FINAL DE APROXIMADAMENTE 400 LITROS;

7 - SEPARAR EM MONTES MENORES CADA UM DOS MATERIAIS PRESENTES NO LIXO, TAIS COMO: PAPEL, PAPELÃO, PLÁSTICO FILME, PET, PVC, VIDROS, LATAS E outros...;

8 - PESAR SEPARADAMENTE OS MATERIAIS;

9 - ANOTAR CRITERIOSAMENTE TODOS OS DADOS OBTIDOS EM UMA PLANILHA, CONFORME MODELO SUGERIDO A SEGUIR, e

10 - CALCULAR OS PERCENTUAIS DE CADA MATERIAL EM RELAÇÃO AO PESO TOTAL DA AMOSTRA.

  

Lugares arborizados podem acalmar as pessoas...

Segundo especialistas, ideal é ter 12 metros quadrados de área verde por habitante. Poucos bairros de SP têm ruas, praças e parques bem arborizados.

Doze metros quadrados de área verde por habitante. Esse é o espaço que se traduz em qualidade de vida. Só que poucos bairros de São Paulo têm ruas, praças e parques bem arborizados. Especialistas dizem que lugares arborizados acalmam e podem influenciar, positivamente, até contra a depressão.

Quem mora na Avenida Dom Pedro I, no Ipiranga, já vive neste ambiente ideal. São 13 metros quadrados de área verde por habitante. Quando as árvores estão na paisagem, a temperatura fica mais agradável, o ar fica mais puro. E há outros benefícios que muitas pessoas nem imaginam. “O lugar arborizado acalma as pessoas, isso é conhecido. Ele interfere positivamente em depressão, por exemplo”, diz Marcos Buckeridge, professor de botânica da Universidade de São Paulo (USP).
A Prefeitura diz que, em regiões como a Rua da Cantareira, em frente ao Mercado Municipal, no Centro de São Paulo, é possível plantar árvores de tamanho médio, mantendo um espaço de cinco metros entre elas. “Nós temos um mar de concreto em determinados bairros que podem ser transformados em um mar de concreto com verde. E seu colorido porque, em época de floração, nós vemos flores de diferentes cores e formas”, defende Márcio Hirota, diretora do SOS Mata Atlântica.
fonte de pesquisa: http://g1.globo.com/sao-paulo/verdejando/noticia/2013/09/lugares-arborizados-podem-acalmar-pessoas-defende-especialista.html

terça-feira, 3 de setembro de 2013

PV terá candidato próprio em 2014.

link - http://pv.org.br/2013/09/03/o-liberal-pv-tera-candidato-proprio-em-2014/

Em entrevista exclusiva a O LIBERAL, o presidente nacional do Partido Verde, o deputado por São Paulo, Luís Penna, adiantou os nomes cotados pelo partido para a disputa presidencial no ano que vem, citando o ex-deputado federal pelo Rio de Janeiro Fernando Gabeira, e a vice-prefeita de Salvador, no Estado da Bahia, Célia Sacramento. Já o líder do partido na Câmara dos Deputados, Sarney Filho, informou ao jornal que a meta deles é aumentar para 30 o número de eleitos para compor a bancada federal – na última eleição, o partido elegeu 14 deputados. Eles estiveram presentes no IX Encontro Estadual do PV, promovido por membros locais do partido, na Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), na manhã de ontem. O evento reuniu também representantes de outros bandeiras partidárias. Apesar de ter uma bancada “pequena”, Sarney Filho acredita que o PV já conseguiu se “impor” na pauta do Congresso, devido à “qualidade das causas que defende”. Quanto às manifestações ocorridas nos últimos meses em várias partes do País, a liderança reforça que o partido já defendia muitas das reivindicações. “Por exemplo, o partido já tinha fechado questão contra a votação daquela PEC (PEC 37) que retirava poderes do Ministério Público. A gente tem um projeto de taxação de riqueza para a saúde. Na questão socioambiental, uma questão indígena de respeito aos direitos humanos”, explicou. Sarney Filho também menciona a posição do PV dentro do Congresso Nacional e as bandeiras levantadas pelos membros do partido. “A gente tem sempre teve uma posição de vanguarda dentro do Congresso, em defesa à diversidade e das garantias das liberdades individuais, seja ela religiosa, de cunha cultura, de opção sexual. É um partido contemporâneo da vida brasileira. Acho que a gente tem um potencial muito grande para crescer e se incorporar, porque é uma identidade grande”, disse. Sobre o encontro, o deputado afirma que é uma oportunidade para´dar “pilaridade” às propostas e torná-las conhecidas e debatidas junto a representantes de outros partidos políticos. 

Fonte : Jornal O Liberal - 
http://pv.org.br/2013/09/03/o-liberal-pv-tera-candidato-proprio-em-2014/#sthash.8xvNlmea.dpuf 

COMENTÁRIO DO JETRO:
CONSIDERO O GABEIRA UM EXCELENTE NOME. MAS, DEPOIS QUE VI UM PROGRAMA COM CÉLIA SACRAMENTO, PENSO NELA COMO CANDIDATA A PRESIDENTA!


o que é a Gestão integrada de resíduos sólidos?

link da pesquisa: 
http://pt.wikipedia.org/wiki/Gest%C3%A3o_integrada_de_res%C3%ADduos_s%C3%B3lidos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia

Gestão Integrada de Resíduos Sólidos é um conjunto de metodologias com vista a redução não só da produção e eliminação de resíduos, como do melhor acompanhamento durante todo o seu ciclo produtivo.Tem como finalidade reduzir a produção de resíduos na origem, gerir a produção dos mesmos no sentido de atingir um equilíbrio entre a necessidade de produção de resíduos, e o seu Impacto ambiental. É uma gestão transversal a todo o ciclo, o qual analisa de maneira Holística.

Redução na Origem

redução na origem ou redução na fonte é o objectivo de um conjunto de políticas e estratégias que visam a uma mudança na concepção, transformação, movimentação ou utilização de produtos ou substâncias, com o intuito de reduzir a quantidade de matérias primas ou sub-produtos, diminuindo assim quer a necessidade de exploração de recursos naturais, como a redução de resíduos intermédios ou a toxicidade dos mesmos assério.

Reciclagem

A reciclagem é um processo de tratamento de resíduos, que permite a sua reintrodução no ciclo produtivo, reduzindo assim a quantidade de matérias-primas necessárias, tal como o volume de resíduos a serem depositados em aterros sanitários.

Incineração

A Incineração é um processo de eliminação de resíduos sólidos, que consiste na queima dos mesmos em unidades especiais, permitindo assim a redução do seu volume, com emissões gasosas controladas, possibilitando o aproveitamento de energia, com descarte das cinzas de queima em aterros controlado.

Aterro Sanitário

Um Aterro sanitário é um espaço destinado à deposição final de resíduos sólidos. Os aterros de ultima geração permitem não só um confinamento seguro e econômico de resíduos que apresentem um grande volume de produção. Leva-se a um aterro sanitário apenas o rejeito, os resíduos sólidos devem ser levados, de preferência a uma cooperativa de recicladores, de acordo com a Lei Federal Brasileira nº 12.305/2010 e seu decreto nº 7.404/2010. A expressão lixo não deve ser mais utilizada, pois no lixo há resíduos que podem ser reutilizados, reciclados, gerando renda a outras pessoas e matéria prima para indústrias.



segunda-feira, 2 de setembro de 2013

O Preço por ser de "Vanguarda"...

Vanguarda (deriva do francês avant-garde) em sentido literal faz referência ao batalhão militar que precede as tropas em ataque durante uma batalha. Daí deduz-se que vanguarda é aquilo que "está à frente". Desta forma, todo aquele que está à frente de algo e portanto aquele que está à frente do seu tempo em uma atitude poderia se intitular como pertencente a uma vanguarda.
Desta dedução surge a definição adotada por uma série de movimentos artísticos e políticos do fim do século XIX e início do século XX. As vanguardas europeias ou os movimentos europeus de vanguarda eram aqueles que, segundo seus próprios autores, guiavam a cultura de seus tempos, estando de certa forma à frente deles. Muitos destes movimentos acabaram por assumir um comportamento próximo ao dos movimentos políticos: possuíam militantes, lançavam manifestos e acreditavam que a verdade encontrava-se com eles.
Muitos outros artistas e movimentos artísticos, posteriores, por sua atitude semelhante a das vanguardas europeias canônicas, poderiam ser referidos pelo termo vanguarda, sendo usual, porém, utilizarmos o termo somente para os artistas participantes daquelas, especialmente para fins didáticos.

fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Vanguarda (consulta realizada no dia 02 de setembro de 2013, por volta das 11h e 11m).

O PREÇO POR SER DE VANGUARDA...
Estava conversando com a minha esposa sobre isso um dia desses...
Eu sou de vanguarda e pago um alto preço por isso.
Lembro que em 1995, já pensava em criar a CooperEco, uma cooperativa de coleta seletiva. Aí, o Dr. Adolfo Fregni, especialista em cooperativismo, me fez muitas perguntas e naquele momento não tinha resposta. Mas, acreditava que isso seria uma boa um dia...Hoje, existe Lei Federal para que as cooperativas ou associações de catadores façam parte de todo o tipo de organização que envolva a coleta seletiva nas empresas e nas prefeituras.

Tem outras situações, mas não vou me estender.

Na década de 1990, tive muitas ideias e sonhos que hoje estou vendo acontecer. Como a profissão de gestor ambiental e leis para implementar a gestão do lixo nas cidades.

Gosto de ser de vanguarda, sofro, não ganho dinheiro (as pessoas acham que são ideias malucas...rsrsrs), mas a luta continua...

É isso, sejamos todos sonhadores.

jetro m. cychinigff
gestor ambiental